sábado, 2 de fevereiro de 2013

Permite-te

Permite-te.

Se tu achas que no fundo, apesar de todas essas palavras em chinês que só querem dizer que tu não sabes o que estás a falar, o que importa é ter a quem mostrar que é nela que termina o arco-íris.
Permite-te.
Quero que tu sintas esse prazer que chega aos poucos. E mata tudo que há em volta. E explode os relógios. E chega aos poucos ainda que tu ainda não saibas nem quem é pouco e nem quem é lento. Porque tu morres. 

Se tu preferes a vida quando se morre um pouco por alguém, permite-te e arrisca viver.