sábado, 26 de janeiro de 2013

novo paradigma... ou morte de Portugal

Tem-se tornado habitual nos últimos anos em Portugal encarar a sociedade portuguesa como uma sociedade sem futuro, quer a nível coletivo quer a nível individual, ter um 1º ministro que nos manda "embora" não ajuda muito, nem abona nada em favor dele enquanto líder!
Generalizou-se a ideia de que somos uma sociedade em empobrecimento relativo, se não mesmo absoluto, sem perspetivas de empregar produtivamente os seus membros ativos, já para não falar da incapacidade de proporcionar pensões condignas ao seus membros em idade de reforma.
É claro que o mundo mudou e as suas mudanças condicionam a sociedade portuguesa de modos que não faziam geralmente parte das expectativas e dos planos dos portugueses. Mas não tem de ser assim, Portugal tem de mudar, tem de mudar de pensamento, de paradigma, tem de voltar ao "passado".
Num mundo em que quem manda é a economia mundial, os interessem do capital, Portugal com a sua pequena dimensão territorial nunca vais ser capaz de combater no terreno com as armas que tem atualmente, pois querer equiparar-se aos gigantes, só vai levar a gigantes derrotas.
Produzir para preço? mas quem é o iluminado que pensas que reduzindo regalias e ordenados vamos alguma vez ser capazes de competir com Chinas, Indias e outras "potencias da escravidão" do trabalho? Acordem, Portugal só tem capacidade, em termos de produção, para competir pela qualidade, inovação e capacidade técnica e isso, isso necessita de pessoas com educação de qualidade, algo que Portugal ainda vem sendo capaz de "produzir" nas suas escolas e universidades. Não se sabe é até quando, tal a razia que estas estão levar em termos de orçamentos e verbas para evoluir o Português.
Porém, nada disto significa que Portugal se torne necessariamente mais pobre, nada disto significa que Portugal não possa ter atividades económicas capazes de proporcionar ocupação e rendimento aos seus cidadãos. Significa, que a sociedade portuguesa tem de mudar e os portugueses têm de modificar alguns dos seus comportamentos e expectativas, para que seja possível a sociedade portuguesa continuar a ser uma sociedade altamente desenvolvida e próspera no contexto mundial.
Para ter futuro os portugueses têm de adaptar-se aos novos tempos e como já disse, voltar ao "passado", voltar a ser um povo de descobridores. Voltemos a 1385, onde Portugal tomava um novo rumo, Portugal iniciou a Era dos Descobrimentos e com tantas conquistas e vitórias, "espalhar a
fé e buscar ouro" (frase de Infante D. Henrique) tornou-se lema de Portugal. Mais uma vez devemos retomar essas ideias, não temos mais mares para desbravar, mas temos conhecimento para descobrir e riquezas para trazer.
Portugal tem tudo para ser um país de investigação, Portugal deve ser um país de incentivo a todo tipo de projetos, vamos ser nós a criar o futuro e depois vende-lo para outros produzirem pois o lucro está em quem cria e não em quem produz. Ciência, tecnologia, todas as áreas de inovação tem de ser o nosso palco... não podemos continuar a deixar oportunidades como foi recentemente o desenvolvimento do transistor de papel irem criar riqueza para outros países por não termos criado condições para um negocio de biliões! 
Agora é preciso ter quem mande com visão de futuro e que faço o investimento necessário para que alem de termos pessoas capazes, termos condições para a sua fixação e desenvolvimento do país nessa direção de criação. São estes os desafios da mudança indispensável para que a sociedade portuguesa não entre num processo efetivo de decadência. Claro que este aspeto da liderança, seja o mais difícil de conseguir. Isto porque pode aparecer como algo que, real ou supostamente, prejudica grupos de interesse com poder de resistência à mudança e ao que podem perder com a evolução do pais. Encontrar forma de vencer essas resistências à mudança institucional será, por isso, a questão crucial da vida portuguesa dos próximos tempos.
"Aquela longa praia lusitana", terra de Heróis e Descobridores, conhecida ficou pela sua gloriosa história. Foi o primeiro Império Global e o último a morrer. Sejamos novamente conquistadores, estamos no século XXI, e um novo caminho de descoberta e prosperidade é preciso construir. Um caminho onde o passado vive lado a lado com o futuro.
Jovens, é a nossa vez!! É a nossa oportunidade de tornar-nos novamente Heróis e termos esperança no futuro que devemos fazer por nós e pelos nossos filhos.