segunda-feira, 27 de maio de 2013

o Nó...

 
É um nó que aperta.
És um nó que aperta, que não se desembaraça. 

És uma espécie de vertigem do abismo, do desconhecido, do desconhecido que conheço e me atrai, que amo.
És um nó. 
Agora me deito, tentei fechar os olhos com tanta força para não sentir a tua falta, só tenho a tua sombra, fria e cinzenta. 
Cubro-me até ao pescoço com medo que aperte outra vez, que me sufoque e fique sem ar, mas o que eu gosto de ficar sem ar contigo, o nós.