segunda-feira, 1 de abril de 2013

O “De” e o “Da”

A má disposição nacional trouxe para o discurso público palavras que viviam sem abrigo. Sigo o tomar no cu do Francisco José Viegas para expressar a minha admiração pelos que conseguem distinguir um corrupto de merda, de um corrupto da merda.
O decisivo, para esses puristas da merda, é o “De” e não o corrupto. Tudo está na preposição de e não no artigo, no caso, dois artigos: o A, da contração da, e o corrupto – ele próprio. É evidente que, bem vistas as coisas, um corrupto dE merda é diferente de um corrupto dA merda. O De Merda, quer dizer que ele é Um Merdas. O Da Merda, quer dizer que ele trafica, vende, trata de Merda, que está, simplesmente, sujo de Merda.
Enfim e resumindo: com de, ou com da, vai tudo dar à mesma Merda, excepto se se tratar de um presidente de câmara, ou da câmara. Onde não há merdas, nem meias merdas, pode fazer sentado ou de cócoras.